Monday, 31 January 2011

Venha o próximo!




Janeiro foi um mês Morrinhento (muita morrinha e lennnnto).
Valeu-nos os fins de semana cheios e animados, em familia ou com amigos, novos destinos e desafios gastronómicos (a máquina do pão tem sido um sucesso!) e boas comédias (Date Night, Grown Ups, etc) para dar alguma cor aos dias frios, escuros e deprimentes que se fizeram sentir.
Ainda este mês rendi-me definitivamente à escrita de Carlos Ruiz Zafon com a "A Sombra do Vento". 
Após a desilusão de termos visto um dos seus shows cancelado, podemos dizer que valeu bem a espera e passo a citar: "The Imperial Ice Stars are to skating what Cirque du Soleil is to circus: inspiring, original and great theatre." Sem dúvida!
Fazendo justiça ao velho ditado português "O que não se faz em dia de Santa Luzia, faz-se ao outro dia...", teve recentemente lugar o Jantar de Natal, adiado devido aos nevões de Dezembro. Tal como esperado, nada de especial a salientar.
As manhãs começam já a clarear, e hoje finalmente o sol saiu à rua.

Wednesday, 26 January 2011


Portobello Road, Londres.

Posted by Picasa

Tuesday, 25 January 2011

Reflexões

"Toda a gente tem sonhos. E segredos. E pecados. Quem não sonha está morto; quem não se resguarda é tonto; quem não peca é santo. Sonhos, segredos e pecados não são crime. O problema está na fronteira que determina as respectivas definições. E, mais importante, na maturidade e no bom-senso necessários para suportar cada um deles. Como em tudo na vida, de vez em quando é preciso colocar o pé no travão.
...
Neste tempo, nada parece satisfazer mais as pessoas do que exibir o seu talento, seja ele qual for, na televisão - e a televisão dá para tudo: para cantar, dançar, representar, cozinhar, emagrecer ou só para simular o quotidiano dentro de uma jaula. Vale tudo.
...
O que verdadeiramente me choca é disponibilidade mental que as pessoas cada vez mais parecem ter para permutar a honra pela desonra. Mesmo que para sempre consigam manter a desonra em segredo. E, neste caso, não sei quem a permutou primeiro: se o homem que não teve coragem para se afastar de um miúdo sequioso de fama, preferindo acreditar que este o amava; se o miúdo, perigosíssima e preocupante amostra de uma geração, que é capaz de se violentar ao ponto de fingir amar alguém só para daí retirar benefício. Choca-me ainda mais a quantidade de histórias destas que hão-de pulular por aí sem que delas tenhamos conhecimento só porque não tiveram um desfecho trágico.

E choca-me, finalmente, que a comunicação social, tão empenhada que está em abordar o assunto com pinças e pruridos, esteja a passar ao lado do assunto que mais interessa: quem é responsável pela desintegração dos valores desta gente, que é muita, para quem a vida só é vida se for mediática? E quem os protege?"

(comentário retirado da net)

Monday, 17 January 2011

Em 2011, eu quero...

  • Ir 1 vez por mês a um espectáculo, concerto, ou musical...
Swan Lake on Ice - The Imperials Ice Stars

E este será o de Janeiro!

Thursday, 13 January 2011

Saudades da Vida

Uma ocasião uma jornalista perguntou a Vinicius de Morais se tinha medo da morte.

O poeta respondeu com um sorriso:

- Não, minha filha. Tenho saudades da vida.



De tempos a tempos esta frase de Vinicius regressa-me à ideia. Penso: de que terei saudades, eu? Maça-me morrer porque se fica defunto muito tempo. Estou certo que o meu pai anda chateadíssimo no cemitério, sem livros, sem música, sem oportunidades para ser desagradável. O meu avô, tão diferente do filho, já deve ter feito montes de amigos por lá, todos a comerem percebes à volta de uma mesa grande. E o meu tio Eloy joga às cartas com os outros, a sorrir de satisfação quando lhe saem naipes bons. Costumava inchar na cadeira, a olhar para eles, repetindo

- Muito bem, senhores oficiais

da mesma maneira que, se as coisas corriam mal, se lamentava

- Há muitos anos que sou beleguim e nunca vi uma coisa assim


e vejo-o daqui, sem uma prega, elegantíssimo. A minha tia Madalena lê livros grossos, a minha tia Bia ensina piano e eu sinto medo de não haver papel, nem caneta, nem amigos, nem mulheres. Mas, voltando a Vinicius de Morais, de que terei saudades? De acordar de manhã, no verão, rodeado de cheiros que zumbem? Do mar em Vila Praia de Âncora? Dos cães ferrugentos de Colares e dos seus olhos lamentosos? Da Beira Alta? Da Beira Alta sem dúvida, e do juiz que se gabava de parar o pensamento. Dos gatos que ao fecharem os olhos cessam de existir e se transformam em almofadas de sofá? Da minha filha Isabel ao levá-la a um museu para lhe encher de amor pela beleza os tenros neurónios:

- Estás a gostar?

- Acho um bocado aborrecente

e não tive coragem de dizer que também acho os museus um bocado aborrecentes. Não ligava muito aos quadros, ou antes não ligava um pito aos quadros mas, na época de eu criança, havia escarradores cromados, a cada dez telas, que me interessavam muitíssimo. O problema é que nunca soube cuspir em condições. Ainda hoje não sei cuspir decentemente e, não estou a brincar, envergonho-me disso. No transporte para o liceu sempre admirei os cavalheiros que tiravam um lenço muito bem dobrado da algibeira, o abriam numa lentidão preciosa, puxavam a alma dos pulmões, depositavam-na no lenço num gorgolejo de ralo, competente, profundo, examinavam a alma com satisfação, tornavam a dobrar o lenço e faziam o resto do trajecto com ela nas calças. Talvez seja por isso que nem lenço uso: quando me acho fungoso luto comigo mesmo para não limpar o nariz na manga: a maior parte das vezes consigo. Vou ter saudades daqueles que se assoam com dignidade e estrondo e dos outros, mais comuns, detentores de um poder de síntese que, desgraçadamente, me falta. Passa uma rapariga e eles, logo

- És muita boa

numa concisão admirável, a acotevelarem um sócio distraído

- Viste?

O sócio já só apanha a rapariga ao longe mas concorda por solidariedade

- Chega o verão e descascam-se logo

e o do poder de síntese remata

- Todas umas putas

que é um ponto final que não admite acrescentos, ei-las catalogadas em definitivo, de modo que se passa aos méritos da cerveja preta que, além de acabar com a sede, é óptima para tirar nódoas, seja na camisa, seja no estômago

- Até limpam as úlceras

limpam as úlceras e amortecem o presunto:

- Se as pessoas mamassem uma preta a meio da tarde ninguém adoecia.


Segue-se a inspecção da sola do sapato

- Olha-me para a porcaria deste buraco aqui

e um discurso acerca das fragilidades e misérias do cabedal. Terei saudades disto? Do senhor da mercearia ao pé de mim vou ter de certeza. Está sempre sozinho na loja, atrás do balcão, educadíssimo. Se lhe comprar um maço de cigarros e disser

- Obrigado

responde de imediato

- Obrigado somos nós

num tom papal, que me leva a imaginá-lo cercado de criaturas invisíveis para mim mas óbvias para ele, uma multidão de espectros sobre os quais reina com benevolência. Tem sobrancelhas grossíssimas que não vão inteiramente com os seus gestos fidalgos. Nunca vi ninguém entrar na mercearia a não ser eu. Mentira: uma ocasião estava lá uma velhota que comprou dois pêssegos, a contar o dinheiro como se estivesse a despedir-se para sempre de um filho único. Lembro-me que fitou as moedas, até elas se sumirem na gaveta, numa ternura que me rasgou ao meio o coração. Depois sumiu-se numa portinha ao lado, com uma pantufa no pé esquerdo e uma bota no direito. O degrau da portinha levou-lhe um quarto de hora a escalar. O senhor da mercearia, esquecido do

- Obrigado somos nós

abriu-me os horizontes

- É a dona Esperança que já foi muito rica.

Foi muito rica e agora um pêssego, uma sopinha talvez, os restos da riqueza no prego. Terei saudades disto, também? Para citar a Isabel a vida, de tempos a tempos, é aborrecente. Será que, há séculos, a dona Esperança muito boa? Será que o marido cuspia em condições? É pouco provável porque o marido, segundo o senhor da mercearia, doutor.

- Doutor de tribunais

especificou ele com admiração

- Doutor de tribunais

escutei eu já na rua. Penso que se o meu tio Eloy visse aquilo comentava

- Há muitos anos que sou beleguim e nunca vi uma coisa assim.

Eu também não, tio, eu também não. E, já agora, quando Vinicius de Morais se referia a saudades da vida em que vida pensava?"



António Lobo Antunes,  Revista Visão
 

Monday, 10 January 2011

...Muitos Anos de Vida...

Mais um fim de semana com a casa cheia. Finalmente consegui cumprir a minha promessa. Já tinha saudades das cenas divertidas que sempre acontecem com a K. e restante pessoal do " The Green".
E claro não há melhor aniversário do que acordar com os dois amores da minha vida a mimarem-me logo de manhãzinha.Depois de um fantástico almoço com familia e amigos no Pub, ainda me consegui arrastar para o Snowdome. É desta que viro uma Marshmallow Radical! Pelo menos o Hot Chocolate deslizava com uma pinta do caraças!! :)

Wednesday, 5 January 2011

Panic Room

" Courage is being scared to death - but saddling up anyway."
John Wayne


Começamos as primeiras horas do Novo Ano com o Pé Esquerdo. Em frente aos miúdos mostrei-me confiante e positiva, mas foi com as pernas bambas que desci as escadas para verificar se o R. estava bem e me deparei com um cenário surreal, vidros e sangue por todo o lado. Sim, eu sei, podia ter sido muito pior. Podíamos ter sido nós os atingidos pelos estilhaços.

Qualquer semelhança...



... é pura coincidência!!  :-)
Adorava ter visto a cara dos vizinhos!

The Devil Wears...

Prada, pois claro! ;-)

Pela primeira vez na minha vida, fui ver com os meus próprios olhos a "febre dos saldos" no UK. Sim, porque para mim, passar 2h debaixo de um  frio cortante no meio da neve para entrar numa loja, só pode mesmo ser "doença". As filas para a Prada, Burberry, Gucci e Ralph Lauren, davam quase a volta ao quarteirão! Impressionante!

Acho que esta mania das marcas deve ser coisa da idade. Ou talvez não. A percepção da imagem é certamente diferente aos 26 do que aos 36. A verdade, é que quase tive que morder a língua... as fotos não mentem!

Love Never Dies



Dez anos depois de ter vindo a Londres ver o Fantasma, aproveitamos as férias para ver o novo musical.
E levamos a familia também.

Tuesday, 4 January 2011

Christmas Day




Lá fora o sol sorria, enquanto na cozinha eu recheava os 2 Perús para o Almoço de Natal.

Retrospectiva

A ceia de Natal.
O bacalhau assado, o pudim, as rabanadas, o bolo rei.
Entre familia e amigos (14), como nos bons velhos tempos,
num típico "White Christmas".