Wednesday, 30 September 2009

Oslo III

O 3º dia amanheceu cheio de sol, permitindo-nos pôr em prática os planos de visitar os museus na península de Bygdoy. Assim e depois de um delicioso pequeno almoço (já mencionei que era capaz de comer waffles para o resto da minha vida?), dirigimo-nos à Oslo Sentralstation, onde alugamos um locker para as nossas mochilas, e já mais leves fomos para o cais apanhar o ferry.

Chegados à outra margem, visitamos:
O Norsk Folkemuseum. Este museu ao ar livre, conta com mais de 100 casas tipicas e tradicionais de toda a Noruega, incluíndo a Gol Stave Church, bem como várias exibições da sua cultura, trajes e brinquedos antigos.


O Vikingskipshuset, onde se encontram em exposição 3 dos melhores barcos originais até hoje recuperados. Ficamos a conhecer um pouco mais a história e os rituais dos Vikings. Alguns destes barcos e objectos foram encontrados enterrados em cemitérios há mais de 1100 anos, pois os Vikings acreditavam que estes seriam necessários aos seus donos na travessia para a outra vida.


O Kon-Tiki Museet, onde se pode ficar a conhecer as mundialmente famosas expedições de Thor Heyerdahl's, um norueguês que que se dedicou ao estudo da colonização da ilhas da Polinésia, e que para provar a sua teoria construíu uma pequena jangada (Kon-Tiki) com a qual velejou 8,000 km.



E o Frammuseet. O Fram é um barco. Mas não um barco qualquer. É provalvelmente o barco de madeira mais forte até hoje construído. Foi utilizado em 3 grandes expedições polares ao Ártico e ao Antártico, entre 1893-1896. Divertimo-nos imenso a explorar o seu interior.



Muito mais haveria para ver, no entanto, o nosso tempo esgotou-se!
Decidimos despedir-nos de Oslo, na esplanada da Opera House, debaixo um sol radioso, admirando a beleza da paisagem, e cativados pela riqueza e diversidade cultural com que esta cidade nos presenteou.

Monday, 28 September 2009

Direito a ser Português

Porque nos diz respeito.
Porque há textos que merecem ser partilhados. Aqui fica o link.

Sunday, 27 September 2009

Note

Os meus posts de viagem têm como objectivo deixar um registo dos momentos por mim vividos no intuito de facilitar/esclarecer outros bloggers que pretendam ideias/dicas de itinerários nos destinos visitados. Algumas das minhas melhores viagens/experiências decorreram de impulsos e momentos espontâneos, mas na sua maior parte são produto de muitas horas de pesquisa. Embora não queira desenvolver demasiado em morosas explicações nos meus posts, qualquer dúvida não hesitem em perguntar que terei todo o gosto em ajudar.

Saturday, 26 September 2009

Oslo II

Após um pequeno-almoço bem reforçado onde não faltou o tipico salmão fumado, e feito o Check Out, a primeira visita do dia seria o Barnekunstmuseet (Museum of Children's Art). Neste museum encontram-se expostas verdadeiras obras de arte criadas por crianças de mais de 180 países, incluíndo Portugal. Deixamo-nos contagiar por um mundo único de magia, de cor, e emoções. Ficamos particularmente sensibilizados com uma pintura que ganhou um prémio internacional, cujo tema era "A child's dream of parents with more time". Nunca na minha vida me deparei com um museu assim!! Numa das salas há sessões para aprender a tocar alguns dos ritmos africanos com um verdadeiro nativo. Passamos lá o resto da manhã e foi com alguma relutância que partimos. Fica o link, já que fotografias não são permitidas.

A paragem seguinte foi o Vigelandspark, o famoso parque das esculturas. No entanto como o dia estava um pouco enublado e por esta altura começou a chuviscar, tivemos que apressar a visita, acabando por nos abrigar com um saboroso café e uns deliciosos waffles por companhia!!



Novamente a caminho, desta feita em direcção ao Nobel Peace Center. Uma vez aqui, não podiamos deixar de marcar presença na Árvore dos Sonhos.

Entretanto era hora de rumarmos à nossa surpresa.
Tinhamos lido na Blue que um antigo cargueiro havia sido transformado num espaço cultural, com café e um B&B. Achamos que seria uma forma diferente de passarmos a noite e uma verdadeira aventura para a M. As cabines, com duche privativo, eram simples. No entanto valia a pena por uma vista assim:


Após uma visita há Opera House, resolvemos ir explorar a zona de Aker Brygge, passeando junto ao mar e aos barcos antigos do porto. É daqui que parte o ferry 91 para Bygdoynes. Apesar dos museus a esta hora já terem fechado, num impulso decidimos apanhar o ferry e admirar o lindo pôr do sol que a esta hora reflectia uma paleta de tons alaranjados.



De volta a terra firme seguimos à procura de sitio para jantar. Queriamos experimentar a culinária local. Decidimo-nos por um dos restaurantes do porto que tinha pratos tipicos. As nossas escolhas recaíram no peixe, elegantemente apresentado e fresquíssimo.

Termino este post com a imagem que nos aguardava no regresso, a Opera House by night.

Thursday, 24 September 2009

Oslo

Este fim de semana perdurará certamente por muito tempo na memória dos momentos felizes que fazem parte desta familia. São viagens assim que deixam um gostinho especial, e nos levam a suspirar ansiosamente pelo próximo destino. Foram 3 dias repletos de aventura, de mochila ás costas, pelas ruas de Oslo.
Numa mão a Blue, companhia indispensável, e na outra anotações tiradas deste blog.
Obrigado Eduarda por partilhares esse fantástico cantinho!

Achei Oslo a cidade ideal para uma escapadinha.
Pequena, simples por fora, mas com um precioso conteúdo no seu interior!
Aterramos pouco passava das 9h. Esperava-nos um lindo dia de sol e quase 2h de autocarro. Pelo caminho iam ficando paisagens como a que se segue.


Na chegada há capital, a central de camionetas mesmo ao lado da estação do comboio, permite ao viajante facilmente encontrar o posto de turismo, fundamental a quem quiser adquirir o Oslo Pass. Munidos dos nossos passes, indispensáveis para entrar nos museus e utilizar os transportes (bus, metro, tram, e ferries incluidos), atravessamos a rua e enveredamos pela Karl Johans Gate, rua pedonal, onde nos deixamos envolver pelos sons (a música parece ser uma constante), pelo imenso movimento e pela atmosfera da cidade.


Fomos caminhando lentamente em direcção ao Palácio Real, parando aqui e ali, admirando as fachadas e notando semelhanças com algumas zonas do nosso Chiado. Feito o check in no hotel, começamos então o nosso itinerário.

Não querendo ser demasiado maçadora, vou apenas enumerar alguns dos principais locais por onde passamos. Por principal insistência da nossa princesa, a primeira visita do dia foi o Norsk Teknisk Museum, no final do eléctrico nº 12. A viagem é gira, e o museu especialmente direccionado para crianças, bem conseguido.


Já de regresso, paragem na Grûnerlokka, numa das inúmeras esplanadas, cheias de vida. Esta zona é particularmente simpática e imperdível. Apelidada muitas vezes de Soho de Oslo, trendy e cool, facilmente se percebe porquê. Menos turística, com os menus em norueguês e o inglês mais arranhado, a cidade torna-se nitidamente mais genuína.


De volta ao centro, a escolha de um sitio para jantar, foi uma verdadeira peripécia, que por si só dava um post. O primeiro dia terminou, no bar do 21º andar, acompanhados de uma bebida e admirando uma fabulosa vista nocturna de Oslo.

Wednesday, 23 September 2009

Prémio

Quase a fazer um ano, eis que este blog foi contemplado com um belo presente de aniversário.


Desde já aqui fica o meu sincero agradecimento ao blog "Crónicas de "Um" Vagamundo", que através do seu magnífico cantinho nos leva a viajar e a sonhar por esse mundo fora.

E como neste mundo da blogosfera, o que não falta são outros blogs, que de uma forma ou de outra contribuem para que o meu mundo seja mais colorido, e não podendo escolher todos os que contam da minha lista, aqui ficam as minhas escolhas :

As regras são :

  1. Exibir a imagem do selo
  2. postar o link do blog que os escolheu
  3. indicar outros blogs
  4. avisar os blogs escolhidos
  5. publicar as regras
  6. conferir se repassaram o selo e as regras
Divirtam-se!

Desculpem


Por pura asneirada da minha parte, o blog atravessa algumas dificuldades técnicas.
Peço desculpa a todos aqueles que por aqui costumam passar e que contribuem para tornar este cantinho especial para mim.

Tuesday, 22 September 2009

Tuesday, 15 September 2009

A primeira semana completa de aulas passou num ápice, para quem ainda vinha em ritmo de férias! E foi uma semana cheia: Vinte carinhas novas a rondar os 4 anos, todos muito amorosos! Um cocktail para celebrar mais um casamento, o terceiro este ano!

Soube muito bem esta ida ao pub, rever colegas e divertir-nos com os muitos relatos de férias por esse mundo fora. Claro que todos se amontoavam para ouvir a E., uma sagitariana de gema, que mais uma vez decidiu arrastar marido e filhos numa incrível expedição por 5 países de África. E que aventuras tinha ela para contar!

Relembrei o tempo em que nós próprios ainda não tinhamos aderido aos packages das agências, e faziamos verdadeiros periplos pela Europa e EUA, com a filhota às costas...

O bom tempo ajudou a que o fim de semana fosse passado inteiramente fora de casa.
No Domingo um telefonema matinal de surpresa, levou-nos ao encontro de uns amigos que fizemos nas últimas férias no Egipto, e aos quais nos juntamos para uma visita guiada ao interior da Waddesdon Manor, já antes aqui referida, e para um improvisado pic-nic nos relvados .
The National Trust , é a organização que permite aos seus membros visitar mais de 300 edifícios históricos, ajudando desta forma há manutenção e conservação dos mesmos, e a qual recomendo vivamente. Aderindo online, o custo anual do cartão é bastante mais simpático e em apenas duas visitas fica pago.
Terminamos o dia num pub tradicional inglês, onde as diferentes salas, todas com enormes lareiras, permitem encontrar recantos verdadeiramente acolhedores a um fim de tarde Outonal. Não faltaram as pints e as chips, bem como um delicioso Camembert gratinado no forno acompanhado com marmelada de cebola. No final, ficou prometida nova visitinha.

Thursday, 10 September 2009

E este ...



... já é meu!

A ver se é desta que a Marshmallow fica Pro!!

Tuesday, 8 September 2009

Beleza natural








Ilha

Tentar conciliar as preferências de várias gerações em férias, é tarefa complicada!
Daí os resorts surgirem como a salvação de familias desesperadas!!
É verdade que se perde um pouco da autênticidade que um pequeno hotel no centro da vila possa proporcionar. No entanto a simpatia dos habitantes locais é de igual forma calorosa. Apesar de ter feito todo o meu trabalhinho de pesquisa antes mesmo de partir, foi já lá no hotel que as melhores dicas surgiram.

Assim começamos a nossa descoberta da ilha pela cidade capital, Sal-Rei.
O termo cidade parece-me um pouco ambicioso. Poderia dizer que não passa de um largo com um amontoado de casas coloridas, onde em 5 minutos estão perto de tudo. É precisamente nesse largo que fica o Mercado Municipal. Lá dentro no rés do chão encontram as habituais frutas e verduras, mas se subirem ao 1º andar descobrem uma especie de galeria, onde podem admirar tipicas telas pintadas á mão, bijuterias e as tradicionais máscaras e esculturas em madeira de teca ou ébano.Não faltarão os mais diversos comerciantes a tentar que entrem nas suas lojas. Se gostarem de regatear, estão no sitio certo. Como não gosto de me sentir pressionada diria que a experiência não foi das melhores.

Pouco depois pusemo-nos a caminho de Rabil, uns kms mais á frente, onde é possivel visitar o centro de artesanato local, e de onde saí com uma ou duas coisas a mais para carregar. Continuando a viagem para Santa Mónica logo se chega a uma zona árida, onde os castanhos ocre da terra, subitamente adquirem uma nova dimensão. Foi apartir daqui que finalmente comecei a relaxar e a desfrutar da beleza natural da ilha...

Nestes trilhos por onde só é possível aceder de 4x4, descobrem-se detalhes interessantíssimos e únicos. E quando por fim se avista a praia, foi com um Ah! geral que nos quedamos rendidos!

Sal-Rei






Sunday, 6 September 2009

Boa Vista


Boa Vista.
Uma ilha pequena, árida, pouco povoada.
O primeiro contacto com a ilha foi feito debaixo de um calor intenso enquanto esperavamos a nossa vez de passar o controlo do aeroporto. Sim, a maior parte das áreas são ao ar livre, dando para perceber, o clima que por aqui se faz sentir na maior parte do ano. E digo maior parte do ano, porque neste momento é a Rainy Season em Cabo Verde. E apesar de só choverem 2 ou 3 dias por ano nesta ilha, guess what? esqueceram-se de dizer que era tudo na mesma semana!!
Chuva Quente!

O resort de luxo, o primeiro na ilha, parece um gigantesco castelo de areia, destacando-se brutalmente da pobreza das construções locais. Lá dentro tudo parece ainda mais exótico, os motivos africanos sobressaindo na decoração. Do lobby, a vista estende-se até alcançar o mar azul turquesa, pois o edificío aberto, permite uma sensação única de comunhão com a paisagem. Sem dúvida um dos mais românticos resorts por onde já passei.
Um dos restaurantes era exclusivamente dedicado aos sabores Cabo-Verdianos. Muito peixinho, marisco, caldeiradas, etc. A animação, quer pela qualidade quer pela diversidade, provou ser das melhores que vi nos ultimos tempos, neste tipo de empreendimentos.

Os tours apresentados pelas diversas agências presentes no hotel, pareceram-nos demasiado caros, pois eramos 3 adultos e 1 criança. Mesmo a opção de alugar carro pareceu-nos descabida, face aos valores pedidos. Apesar de a moeda ser o Escudo Cabo Verdiano, é o Euro que predomina. E não são nada meigos a pedi-los!!
A forma mais economica de ver a ilha pareceu-nos ser de taxi (pick-up), desde que saibam regatear bem o preço com o taxista. Visitamos Sal-Rei, Rabil, Povoação Velha, Praia de Santa Mónica e Deserto de Viana por 70Euros. O Quad-bike teria sido uma excelente opção se fossemos só os dois.

Infelizmente não consegui visitar a Ilha do Fogo, e subir ao vulcão como tanto gostaria. Apartir da Boa Vista é possível visitar Fogo ou Santiago. No entanto as chuvadas dos ultimos dias não garantiam o voo de regresso e preferi não arriscar a ficar uma noite sozinha noutra ilha.

As praias de areia branca, a perder de extensão, são beleza em estado puro.

Saturday, 5 September 2009

Home Sweet Home

De volta ao lar.
As aulas já começaram e a normalidade começa a fazer-se sentir.
Regresso a casa destas férias com um misto de emoções por decifrar.
Acho que ainda não consigo definir bem os sentimentos que estas férias produziram.
Cabo Verde é sem dúvida uma terra de contrastes marcantes, de gente afável e ritmos contagiantes.